domingo, 20 de julho de 2008

Entrei em descanso.....

Em descanso das palavras ...

...mas não de sentires e de emoções...

Ausente de vós e de mim por algum tempo.

Logo, logo voltarei ....

BF

Imagem de João Carlos

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Estados de alma...




O frio a bater… lá fora
Perdida,
Caída a noite .. será inverno?
Que escuro!
São sombras da vida que passa

Pelas pedras calcorreadas
Já gastas de tanto passar.
Procuro a luz...
Numa fresta de janela,

Um raio ou um reflexo,
Um pequeno cintilar.
Está escuro lá fora!
E cá dentro… muito frio…
Sem uma luz a brilhar!

BF

Palavras e imagem da minha autoria 

domingo, 6 de julho de 2008

Ardia...


“… Sentia as suas mãos nas costas da minha camisa, a puxarem-me: a força dos seus dedos a espetarem-se: garras cravadas na terra. Levantava-lhe mais o vestido e as minhas mãos seguravam-lhe a cintura, como se a sua pele fosse um incêndio, como se a sua pele fosse um incêndio, como se a sua pele fosse um incêndio. Ardia. Deixávamos de respirar ao mesmo tempo quando, num estante que talvez fosse eterno, que era eterno, entrava dentro dela. Então o peso do meu corpo apertava-se de encontro ao seu corpo. Eu a segurá-la no interior dos meus braços, debaixo de mim, e eu dentro dela, e ela, por dentro, a ser um incêndio, a ser um incêndio, a ser um incêndio. Ardia.”

Cemitério de Pianos
José Luís Peixoto
::::::::::
Deixo-me influenciar muito pelas palavras…e, tento, sempre, alargar horizontes com todas as pessoas que cruzam o meu caminho. Assim, de tanto ouvir elogiar o livro "Cemitério de Pianos", de José Luís Peixoto fiquei desejosa de o ler. Ler não… neste momento estou a relê-lo. É que na primeira leitura que fiz, e talvez por não estar habituada à escrita de Peixoto, baralhei um pouco os narradores e as suas histórias de vida solitária que se cruzam numa catadupa de sentires...
Bem… toda esta conversa para justificar a transcrição desta passagem que achei divina.
BF